21/07/09

Aleitamento Materno


ALEITAMENTO MATERNO

A preocupação com a oferta de leite humano nas Unidade de Terapia Intensiva (UTI)e o fato de existirem situações onde, por algum motivo, o RN não pode receber o leite de sua própria mãe, remetem a questão para o funcionamento adequado e implementação do Banco de Leite Humano nas maternidades.
O Banco de Leite Humano (BLH) é um centro especializado e obrigatoriamente ligado a um hospital materno e (ou) infantil, responsável pela promoção e incentivo ao aleitamento materno e execução de coleta, processamento e controle de qualidade do colostro, leite de transição e leite humano maduro, para posterior distribuição, sob prescrição médica ou de nutricionista. É uma instituição sem fins lucrativos, sendo vetada a comercialização dos produtos por ela distribuídos. É responsabilidade do BLH orientar, executar e controlar as operações de controle, seleção e classificação, processamento, controle clínico, controle de qualidade e distribuição. Compete aos BLHs a promoção do Aleitamento Materno.
Os Bancos de Leite Humanos no Brasil começaram a surgir na década de 30 até 1981, quando da implantação do Programa Nacional de Incentivo ao Aleitamento Materno - PNIAM, não chegaram a constituir um fator de representatividade em Saúde Pública.
Os Estados Unidos e a Inglaterra já contavam com Bancos de Leite Humanos antes da II Guerra Mundial. Entretanto a preocupação com os cuidados e a criação do mesmos diminuiu muito em todo mundo, em função do abandono do Aleitamento Materno. Muitos deste bancos já contavam, na época, com técnicas apuradas, com análise nutricional e controle de transmissão de infecção através de contagem de colônias de bactérias nas amostras coletadas.
A existência de normas para doação de leite humano tem sua origem desde a época do Império, quando a preocupação com a saúde das crianças levou D. PedroII a outorgar um legislação para disciplinar o "serviço de ama-de- leite". A partir da implantação do PNIAM, os BLHs apareceram de forma expressiva, com resultados não esperados. Em 1984, tornaram-se motivo de preocupação para PNIAM devido a proliferação desordenada sem atender aos objetivos e procedimentos uniformes, constando entre outros fatos, a compra e venda de leite humano, a sua troca por cestas alimentícias e a falta de controle de qualidade do produto.

OBJETIVOS DO BANCOS DE LEITE HUMANO
OBJETIVO GERAL
Desenvolver atividades que atendam à filosofia do projeto e garantam o acesso da população alvo ao Banco de Leite.
OBJETIVO ESPECÍFICOS
-Coletar leite humano, possibilitando estoque regular a sua demanda; -Organizar cadastro das doadoras para possibilitar a coleta domiciliar, se possível; -Distribuição do leite; -Controle da Autenticidade e das propriedades bacteriológicas do leite, logo após a sua coleta; -Conservação e Estocagem; -Propiciar às doadoras e a seus dependentes menores condições favoráveis de atendimento médico, nutricional e social; Prestar informações técnico-científicas á comunidade, visando constituir para o estímulo do Aleitamento Materno.

TIPOS DE BANCOS DE LEITE

Para fins esquemáticos o BLH poder ser dividido em três tipos:


TIPO FRANCÊS: Caracteriza-se pela coleta de leite a domicílio. São estabelecidos horários prévios para a coleta e recolhimento do leite ao Banco que deve ser realizado no menor tempo possível. O número de doadores deve ser proporcional a demanda e o seu tratamento exige uma atualização constante.
Deve-se ter controle de:
1. Uma área geográfica de doadores;
2. Um serviço volante para recolhimento do leite (ambulância apropriada, ligada a um sistema de motocicleta.)

TIPO BRASILEIRO: Caracteriza-se pela coleta realizada no próprio Banco de Leite, que é uma unidade isolada, integrada a um hospital de Pediatria e (ou) Maternidade. As doadoras comparecem para a doação do leite. Não há serviços externo de coleta.
TIPO MISTO: É constituído de um Banco de Leite (tipo brasileiro) dotado de um sistema de coleta externa (tipo francês). O veículo-coletor deve dispor de 3 áreas, no seu interior:
a) área de recepção e lanche;
b) área de vestiário (cabine para a preparação da doadora);
c) área de estocagem do leite coletado (freezer, etc.)

    CLIENTELA

    • Recém nascido prematuro ou de baixo peso;
    • Recém nascido imunologicamente deficiente;
    • Recém nascido com perturbação gástrica de origem variada;
    • Recém nascido alérgicos a outros tipos de leite;
    • Doadoras de leite
    • Gestantes, puérperas e nutrizes.
A seleção das doadoras pode iniciar no pré-natal. Todas as gestantes, comprovadamente sadias, por meio de curso ou por orientação das enfermeiras do Serviço de Obstetrícia, são motivadas a doar seu leite, explicando-lhes que o Hospital não vai recompensá-las pecuniariamente.
Motivos que levam a doadora a ser considerada inapta para doação :
  1. Moléstias infecto-contagiosas;
  2. Uso de drogas ou medicamentos, excretáveis através do leite, em níveis que possam provocar efeitos colaterais;
  3. Tratamento quimioterápico ou radioterápico;
  4. Desnutrição;
  5. O outros motivos.
CARACTERÍSTICAS DAS INSTALAÇÕES


Os BLH, bem com os Postos de coleta devem satisfazer às seguintes condições básicas para seu funcionamento, considerandos os seguintes ítens:
    1. LOCALIZAÇÃO: distante de qualquer dependência que possa comprometer a qualidade do produto processado/estocado, sob o ponto de vista químico, físico-químico e microbiológico;
    2. ÁREA DISPONÍVEL: suficiente e proporcional à realização de todas as operações a que se propõe;
    3. ABASTECIMENTO DE ÁGUA: atendimento aos padrões de potabilidade vigentes, em volume suficiente às necessidade operacionais do BLH;
    4. ILUMINAÇÃO E VENTILAÇÃO: suficiente em todas as dependências, respeitando as especificações de ordem técnica;
    5. DEPENDÊNCIAS PARA MANIPULAÇÃO: devem possuir piso, teto, paredes e divisórias, revestidos com material impermeabilizado, liso, sem reentrâncias, construídos de modo a facilitar a limpeza e sanitização;
    6. DEMAIS DEPENDÊNCIAS: vestiário, banheiros e outras dependências necessárias em número proporcional à capacidade operacional.
O BLH deve obedecer a um "lay-out", que permita bom fluxo operacional, evitando cruzamento, e que facilite a sua higienização.
O BLH deve dispor de uma planta física contendo as seguintes Áreas:
    • Área de recepção: é destinada ao atendimento de gestante, puérperas, e nutrizes para o encaminhamento para coleta, para a orientação referente a cuidados e aleitamento materno, e registro de dados médico-socias.
    • Área de coleta : destinada para a coleta de de leite humano conforme as técnicas assépticas estabelecidas, realizada por de expressão manual ou com o auxílio de bombas, manuais ou elétricas; devem ser utilizados materiais esterilizados. O local da coleta deve possuir piso, paredes, teto e divisórias revestidas com material impermeável que facilite a limpeza e sanitização, deve ser localizado de forma adequada, afastada de locais que possam causar prejuízo à obtenção higiênica do leite, evitar o cruzamento de fluxos. Deve ser limpo e sanitizado rigorosamente antes de cada turno de trabalho. Em caso de coleta domiciliar, orientar a doadora a procurar um local tranqüilo, evitando aqueles que possam trazer risco à qualidade microbiológico do leite, com sanitários e (ou) dependências onde se encontram animais domésticos. Nas enfermarias recomenda-se todos os princípios observados para a coleta no BLH. O leite deve ser acondicionado em frascos esterilizados e com rótulos informado o no do registro da doadora. O produto pode ser pré-estocado sob congelamento ou refrigeração a 50C no máximo por 5 dias e 24 horas, respectivamente.
    • Área de processamento: destinada para a seleção classificação e tratamento de conservação do leite. O leite deve ser submetido a controle de qualidade. Deve-se avaliar as condições de conservação em que se encotra o leite no momento da recepção, verificando o tipo e condição da embalagem. Este local é responsável pela pasteurização e/ou liofilização do leite. Após a pasteurização, o leite deve ser congelado, resfriado ou encaminhado para a unidade de liofilização. O produto deve ser acondicionado em embalagem aprovada pelo Ministério da Saúde e esterilizados e utilizados exclusivamente par este fim. O rótulo deve conter informações referente ao tempo de validade, volume da água a ser utilizado para reconstituição, caso o leite for liofilizado, manuseio, condição para estocagem.
    • Área de estocagem: destina para a estocagem do leite in natura ou liofilizado em refrigerador, "freezer", congelador, após analise de sua qualidade microbiológica, seguindo os seguintes períodos
1. Produto pasteurizado-refrigerador, 48 horas;
2. Produto pasteurizado-congelador, 6 meses;
3. Produto pasteurizado-liofilizado, 1 ano .
Efetuar rigoroso controle de de temperatura dos freezers para evitar flutuação prejudiciais à manutenção do produto.

  • Área de distribuição: destinada ao controle do leite distribuído aos receptores, conforme as indicações já citadas anteriormente.



  • Área Administrativa: Chefia do BLH, Coordenadoria do BLH, Secretaria, almoxarifado, Arquivo da doadoras, Sala de exame, vestiários, etc.



    • RECURSOS HUMANOS
      O número de pessoas na equipe varia conforme a clientela a ser atendida pelo BLH, a composição da equipe multidiciplinar e a instituição. São atribuições dos membros da equipe multidisciplinar neste local:
    • Enfermeiro: -Coordenar a execução do programa global do BLH;
      • -Responder junto a direção pela realização do programa; -Fiscalizar a manipulação do leite, desde a coleta até a entrega ao cliente; -Manter o entrosamento com os servidores; -Fazer previsão do orçamentário; -Determinar a aquisição de material necessário e zelar pela execução do orçamento; -Controlar a distribuição do material , consumo e estoque; - Zelar pelas intalações, pelo material e pela condições de higiene; -Controlar a freqüência de atividade do pessoal; -Elaborar e manter atualizadas as rotinas do serviço; - Preparar relatório e boletins técnicos periódicos; - Organizar mapas refentes ao movientos diário, mensal, e anual das atividades do BLH; -Elaborar e apresentar à equipe o plano de trabalho; -Planejar, executar e avaliar, em conjunto com a equipe o programa de atividades; -Promover cursos encontros, visando ao aperfeiçoamento profissional do serviço; -Participar do treinamento do pessoal, tanto em curso regulares, como em serviço;

  • Médico - em conjunto com a Enfermeira:


      • -Elaborar e apresentar à equipe o plano de trabalho; -Planejar, executar e avaliar, em conjunto com a equipe, o programa de atividades; -Promover cursos encontros, visando ao aperfeiçoamento profissional do serviço; -Participar do treinamento do pessoal, tanto em curso regulares, como em serviço; Cabe ao médico: -Proceder o controle médico das doadoras; -Decidir, em conjunto com a doadora, a matrícula ou seu desligamento; -Estabelecer periodicidade para o exame das doadoras, entre outras.

  • Assistente Social;


  • Nutricionista;


  • Auxiliar de Enfermagem;


  • Técnico de laboratório;


  • Outros profissionais.


  • Sendo necessárias mais informações sobre o funcionamento do BHL, consulte:


    Estas informações podem ser obtidas através da AMAMENTAÇÃO ON LINE, no site da IBAFAN.


    A autora desta página é bolsista de Iniciação Científica da FAPESP.
    Orientadora: Profa. Dra. Maria Helena Baena de Moraes Lopes
    Agradecimentos: Profa. Ianê Nogueira do Vale pela revisão do texto e cessão das fotos.

    Um comentário:

    Anônimo disse...

    Gostei muito dessa postage, você está de parabens.

    Silvana Santiago